A nossa história

A Rede de Transição em Portugal representa um colectivo de pessoas e iniciativas portuguesas que se reuniram para juntar esforços, sonhos e uma visão em prol de uma actuação e mudança pró activa em Portugal motivadas pelos alicerces do movimento de Transição.

Desde Novembro de 2010 a Setembro de 2013 que nos reunimos para criar esta rede conjunta, co-criando a estrutura e bases com uma identidade própria e que possa ao mesmo tempo inspirar e cativar mais pessoas, projectos e sonhos em Transição!

IMG_6565Não é fácil registar a história do movimento de transição em Portugal pois existem inúmeras histórias vividas pelas pessoas activas nas iniciativas de Transição. Porque todas as iniciativas contribuem de forma significativa para a aprendizagem e crescimento de todo o movimento, as histórias e os momentos mais importante de muitas iniciativas de transição merecem ser contados para ilustrar quem somos, o que temos aprendido, descoberto, ensaiado, concretizado, celebrado e construído.

Mas porque esse relato seria demasiado extenso, contamos a história do movimento da Transição em Portugal através dos momentos de encontro nacionais e de alguns momentos que juntaram o movimento e que não podemos deixar de celebrar:

  • 10 de Abril, 2010 |  I Colóquio Nacional – Transição para uma Economia e Cultura Pós-Carbono | Pombal
  • Abril, 2010 | Registo da 1ª Iniciativa Portuguesa (Paredes) na Transition Network
  • 16 e 17 de Outubro, 2010 |  I Curso de Iniciativas de Transição (IT) em Portugal | Pombal
  • 28 de Novembro, 2010 | I Encontro Nacional de IT | Telheiras
  • 5 de Fevereiro, 2011 | II Encontro Nacional de IT | Pombal
  • 17 de Abril, 2011 | III Encontro Nacional de IT | Portalegre
  • 16, 17 de Julho, 2011 | IV Encontro Nacional de IT | Aldeia das Amoreiras
  • 17 e 18 de Setembro, 2011 | II Curso de Iniciativas de Transição em Portugal | Sintra
  • 5 de Fevereiro, 2012 | V Encontro Nacional de IT | Linda-a-Velha (http://transicaolav.blogspot.pt/2012/02/fim-de-semana-4-e-5-fevereiro-rescaldo.html)
  • 24 e 25 de Março 2012 | III Curso de Iniciativas de Transição em Portugal | Linda-a-Velha (
     http://transicaolav.blogspot.pt/2012/03/3-curso-de-iniciativas-de-transicao_30.html)
  • 26 e 27 de Maio, 2012 | VI Assembleia Nacional | Janas, Sintra
  • 9 e 10 de Junho 2012 | IV Curso de Iniciativas de Transição em Portugal | Lisboa
  • 2 e 3 de Fevereiro, 2013 | V Curso de Iniciativas de Transição em Portugal | Janas, Sintra
  • 14, 15 e 16 de Junho 2013 | Ajudada – 1º grande encontro de economia da dádiva | Portalegre
  • 8 e 9 de Setembro, 2013 | VII Encontro Nacional de IT | Linda-a-Velha
  • 9 e 10 de Novembro 2013 | VI Curso de Iniciativas de Transição em Portugal | Coimbra
  • 10 de Fevereiro de 2014 | Lançamento do site oficial da Plataforma de Transição Portugal em www.transicaoportugal.net

Em  2009,  a  criação  da  rede  social  online  ‘Transição  e  Permacultura  em  Portugal’,  na plataforma online NING funcionou como primeiro agregador de interessados no movimento, reunindo simultaneamente (e sobretudo) interessados no movimento de permacultura.

Em Abril de 2010 o movimento chegou oficialmente a Portugal, pela organização do I Colóquio Nacional, em Pombal, e pelo registo de Paredes (Abril) e Pombal (Maio) como iniciativas de transição na TN.

Em Outubro realizou-se o  I  Curso  de  Iniciativas  de  Transição,  também  em  Pombal,  que reuniu cerca de 25 participantes, alguns já membros de grupos  pioneiros de iniciativas. O curso catalisou o surgimento de uma primeira vaga de iniciativas, nos meses de Novembro  e  Dezembro  de  2010 e  estimulou  a criação de uma rede informal de iniciativas de transição portuguesa.

Desde então, as iniciativas têm desenvolvido o seu trabalho ao nível local e organizado anualmente encontros nacionais.

Os três primeiros encontros tentaram sobretudo reunir consenso sobre a formação de uma associação nacional de iniciativas e a formação do hub português. Grande parte das iniciativas considerou prematura  a  constituição  de  uma  entidade  à  escala  nacional, devido às  condições  exploratórias  das  próprias  iniciativas e da própria plataforma e criou-se um conflito quando a rede social do ning foi usada para promover a visão de uma pessoa, sem respeitar os processos de grupo e tomada de decisão das iniciativas de transição juntas em encontros nacionais. A rede social permaculturaportugal.ning.com deixou então de pertencer à rede das iniciativas de transição portugal e à Transition Network pois desrespeitou os princípios de honestidade, inclusão e transparência ao manipular a rede social para tentar obter uma estrutura hierarquica com presidente para controlar o movimento de forma não aceite pelo mesmo. A rede social do ning criou então uma associação independente da plataforma de iniciativas, a tpp e distanciou-se das iniciativas de transição e do seu processo de decisão encontros nacionais e grupos de trabalho.

Apesar deste conflito que afectou o ânimo do trabalho ao nível naiconal, as iniciativas prosseguiram com a organização de encontros nacionais para partilha de aprendizagens e criação de uma plataforma de comunicação e suporte às iniciativas de Transição de Portugal.

IMG_6616Em meados de 2013, início de 2014 a Plataforma mobilizou-se para a construção um site oficial da Plataforma, como forma de clarificar a identidade da Plataforma da Transição em Portugal.

Por esta altura a Plataforma das Iniciativas de Transição em Portugal publica trimestralmente uma newsletter digital, tem quatro formadores oficiais Portugueses do Curso de Iniciação à Transição e tem cerca de 30 iniciativas registadas entre o site da TN e a RedeConvergir.net, com algumas delas a dinamizar um vasto programa de actividades nas suas localidades.

A rede informal entretanto constituída mantém contacto regular via online e reúne iniciativas muito diversas entre, quer pelo contexto geográfico e social das suas comunidades, quer pelo  número  de  envolvidos  nos  projectos,  quer  pelo  tipo  de grupos  constituídos.

A Área Metropolitana  de  Lisboa  concentra  várias  iniciativas mas  no  global  do  país  as iniciativas estão espalhadas por grande parte do território com  realidades  distintas:  aldeias, bairros, vilas, cidades, áreas peri-urbanas, áreas suburbanas, no litoral e no interior.

Envolve-te!
Podes participar no movimento de Transição envolvendo-te numa iniciativa na tua comunidade, criando uma iniciativa na tua comunidade, participando numa actividade de uma iniciativa transição, participando num curso de transição, efectuando um donativo ou contribuindo para realizar os objectivos da Plataforma.